quinta-feira, 21 de abril de 2011

Bicicletas como meio de transporte no Jornal da Record


Excelente matéria sobre bicicleta como meio de transporte em São Paulo que foi ao ar nesta segunda-feira.

O que mais me alegra é ver que essas matérias realmente inspiram mais pessoas a experimentar este modal tão eficiente e agradável! Na empresa onde trabalho já há 2 pessoas fazendo seus planos pra trocar o carro pela bicicleta!

Essa é a nossa motivação quando contamos nossa história: mostrar que é viável e ainda por cima é divertido! Experimente!

sábado, 9 de abril de 2011

Cuidado: Ricardo José Neis, atropelador de POA está solto!

Arte: Danilo Sales

No mesmo dia em que um atirador tira a vida de crianças indefesas numa escola em Realengo, Rio de Janeiro, a Justiça concede habeas corpus devolvendo à sociedade o atropelador de ciclistas de Porto Alegre.
Enquanto chorávamos a tragédia no Rio, mal sabíamos que o potencial assassino voltaria às ruas. (já me faltam lágrimas e me intriga a coincidência das datas)

Ricardo José Neis, funcionário do Banco Central, que atentou contra a vida de centenas de ciclistas como fica claro aos 50 seg. do vídeo abaixo, está solto!


Ricardo José Neis (guarde este nome!) responde por 17 tentativas de homicídio triplamente qualificado (motivo fútil - ele não queria esperar.. - mediante meio que resultou em perigo comum - mais de 1 tonelada de metal e muita potência no motor, acionado pelo pé do potencial assassino - e mediante recurso que dificultou a defesa das vítimas - de costas para ele pedindo humanização do trânsito, que ironia..), mas ele está em liberdade!

Alguém entendeu que ele não representa perigo à sociedade, afinal, ele "apenas" tentou matar a mulher com uma machadinha... Impune, obviamente, posteriormente tentou matar centenas de ciclistas, atropelando dezenas deles (e seguindo reto, com o pé no acelerador, passando com o carro em cima de vidas, posteriormente abandonando o carro numa rua qualquer sem a placa, apresentando-se depois para evitar ser preso em flagrante, internando-se numa clínica para alegar insanidade.. depois de todo esse comportamento "normal", ele está solto!)

Essa é a Justiça de nosso país! Estas são as leis que nos protegem! Você não fica feliz em ser brasileiro nestas horas?

Na prisão vivemos nós, pessoas que acreditam na Justiça... aprisionados pela única forma que encontramos de fazer um mundo melhor: de forma pacífica e pelos meios legais.
Me sinto de mãos atadas, sem voz, deitada no chão enquanto leis absurdas me atropelam, me tiram o direito de me sentir segura nas ruas. Meu estômago, minha cabeça  e meu coração já estão cansados de lidar com tanta impunidade e injustiça.
 
Quantos relatos de crimes vemos diariamente em que o assassino já havia matado, roubado, estuprado... como se explica que ele já tendo passado pela Polícia estivesse novamente convivendo em sociedade?
Nossas leis! Nossas leis que protegem os criminosos e mantém refém a população. Reféns do medo e da certeza da impunidade.

Não vamos esquecer dessas imagens!

Segunda-feira dia 11/04 as centenas de ciclistas que quase perderam suas vidas graças a Ricardo José Neis juntamente com toda a população indignada com esta impunidade estarão reunidas no Largo Zumbi dos Palmares a partir das 18h, em Porto Alegre.

Mostre você também sua indignação! Sempre de forma pacífica e unindo forças para superar tamanha injustiça, nos apegamos uns aos outros para seguir em frente.
Cole um adesivo em seu veículo, distribua um panfleto, vá à uma manifestação, divulgue o assunto, faça o que puder, mas não deixe pra lá, não esqueça! Podia ser qualquer um de nós na frente daquele carro, usado como arma! E ele está solto!

 
No twitter comente usando a hashtag:
#naofoiacidente



 
Este era o panfleto que estava sendo distribuído pelos cidadãos ciclistas naquele noite:





Legítima covardia:


Arte: Danilo Sales

A tentativa de assassinato repercutiu no mundo inteiro e agora, a forma como a Justiça Brasileira está conduzindo o caso vai repercutir novamente. Que vergonha Brasil!

sábado, 19 de março de 2011

Como NUS sentimos - World Naked Bike Ride 2011


Um pouco do que foi a Pedalada Pelada, como o World Naked Bike Ride é chamado aqui no Brasil.
O vídeo do Palmas é emocionante. Acompanhei as manifestações de surpresa e apoio via twitter mas ver o rosto das pessoas nas ruas se iluminando de alegria é fantástico! Queria ver o álbum de casamento destes noivos:)


Mais:


"Posso não conseguir mudar o mundo mas vou me divertir tentando"

domingo, 27 de fevereiro de 2011

De luto por Porto Alegre



Assassino covarde, tá com medo de mostrar a cara agora?

sábado, 26 de fevereiro de 2011

"Ser feliz é subversivo" - História da praça do ciclista


Vale muito a pena conhecer um pouco da história da praça do ciclista neste blog.


"esse é o DNA da bicicletada: a ação direta. sim, a bicicletada é filha das manifestações anti-alca, anti fórum econômico mundial, anti-macdonalds, anti-bancos e tb anti partidos políticos. prestou atenção nesse detalhe: anti-partidos políticos."






terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Mude sua direção!

Sabe aquela propaganda pra vender "carros que gostam de pessoas"?



sábado, 19 de fevereiro de 2011

"Aceita uma flor por um mundo melhor"?

Voltando pra casa hoje duas moças sorridentes se aproximaram de mim e veio a pergunta "Aceita uma flor por um mundo melhor"? - estendendo um vasinho de flores e um panfletinho.



Presenciar gestos gentis assim me enche de esperança! O dia ficou ainda mais alegre e, graças à elas, mais florido!
Aquelas duas moças sorridentes, que distribuiam flores a quem passava "por um mundo melhor" certamente estão construindo o mundo com o qual sonham.

Muitas vezes presenciei ciclistas na bicicletada SP oferecerem flores aos motoristas e pedestres. Vi sorrisos se abrirem mas também vi vidros (e corações) fechados até para uma rosa branca:(

Mas depois do que aconteceu hoje, acredito mais na força dos pequenos gestos que podem trazer grandes mudanças... ou pelo menos despertar sorrisos e alegria por aí!

Gentileza! Pratique! Acredite!




domingo, 13 de fevereiro de 2011

PedaliNASegunda:)

As Pedalinas tem uma grande novidade! Um pedal noturno! A noite das Pedalinas! Porque pedalar é preciso!!!

Toda segunda segunda-feira do mês. (é! toda segunda-segunda!)



Só para mulheres:)

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Você reclama, eu pedalo! Obrigada!

Em agosto do ano passado rolaram duas matérias sobre bicicletas que me fizeram reagir. Na época pretendia postar aqui no blog mas acabei guardando o rascunho e não publicando pois precisava buscar uns links e na correria acabou passando.

 Essa semana uma destas matérias ressurgiu das cinzas (onde deveria descansar em paz, diga-se de passagem..) então decidi resgatar e finalizar o post:


Quando comecei a escrever este blog eu trabalhava a 6 km de casa, distância que vencia em meia hora de pedalada tranquilamente. Contava ainda com um vestiário bem bacana na empresa, onde tomava banho e me arrumava para o trabalho.




Em janeiro de 2010 comecei a trabalhar na zona sul, uns 25 km de casa. Decidi então que iria pedalando até a estação de trem (6km de casa) e lá embarcaria para uma viagem de meia hora, concluindo assim meu trajeto diário. E isso vinha funcionando bem. Nos dias em que não tinha nenhum compromisso a noite, deixava a bicicleta num estacionamento em Osasco (sim, estacionamento cujo dono aceitou receber minha bike pela contribuição mensal de R$ 20,00, coisa que mais de 8 estacionamentos da região não se dispuseram a fazer, lembrando que em Osasco bicicletário CPTM é lenda, quem sabe ano que vem? Pedala e espera...).



Logo comecei a fazer um curso na Lapa, a noite, então, duas vezes por semana passei a embarcar minha bicicleta dobrável no trem para garantir que chegaria no horário no curso (adiantada...) e com disposição, claro!



O curso passou para 4 vezes por semana, em lugares diferentes... começou a ficar meio sem nexo carregar a dobrável no trem praticamente a semana inteira. Passei então a pensar em ir pedalando o trajeto todo para o trabalho. Vinha ensaiando virtualmente os caminhos e me planejando, mas sem data definida para o teste, mas semana passada, após ouvir tantas histórias bacanas no encontro das Pedalinas, me enchi de motivação e empolgação e decidi que esta semana (agosto/2010) faria meu trajeto completo pedalando. O empurrão final, para que eu definisse a data foi um texto da Barbara Gancia (que pode ser lido aqui - e a resposta brilhante da pedalina Drielle), afinal, quando alguém diz que o meio de tranporte que você usa diariamente em São Paulo e que te trouxe tantos benefícios não cabe na cidade com naturalidade, você ganha pelo menos mais um motivo pra pedalar: mostrar o contrário.



Então, na terça passada encarei os 25km pedalando e, como sempre, foi ótimo! Uma hora e vinte minutos vendo a cidade despertar, as aves sassaricarem freneticamente nos galhos dos belíssimos ipês floridos. (você já notou como a cidade está florida?) Pais deixando as crianças na escola, Ceagesp em pleno abastecimento, pessoas estressadas já às 7 da manhã (como pode?) e muitos, assim como eu, pedalando, cada um no seu ritmo seguindo seu caminho. Cheguei ao trabalho adiantada, tomei um reforçado café da manhã (eu merecia!) e segui meu dia cheia de disposição, e feliz, por ter finalmente ter colocado estes planos em prática.



Aí no meio da semana aconteceu uma coisa interessante, vi a reportagem: "Passeios noturnos de bicicleta atrapalham o trânsito", uma pérola da ignorância. Nela, um “advogado especialista em trânsito” distorcendo o Código de Trânsito Brasileiro.
Então tá.. em poucos dias eu lia que bicicletas não cabem com naturalidade em São Paulo (como se não houvessem mais de 300 mil deslocamentos diários através delas na cidade), na sequência uma reclamação de que os passeios de bike estavam atrapalhando o trânsito e pra finalizar toda aquela distorção das leis que estão ali, claras no CTB! Fiquei com uma sensação estranha.. uma sensação de que os motoristas que reclamavam se sentiam numa espécie de “carrovia”, um lugar reservado só para os carros! E que aquele senhor "especialista em trânsito" jamais lera em sua vida alguns poucos artigos do CTB que falam das bicicletas. Decidi que engoliria a matéria, mesmo sem concordar, claro. MAS, em protesto (desculpa pra pedalar...), na sexta-feira eu iria novamente de bicicleta os meus 25 km!



E lá fui eu!

Sai um pouco mais tarde do que da vez anterior, já que agora sabia melhor o tempo do trajeto. Atravessando a ponte próxima ao Cebolão comecei a estranhar: quantos carros! Um volume muito maior que o da terça anterior! Prossegui até a empresa, levando minha uma hora e vinte novamente e descobrindo mais algumas ruas novas.



No fim do dia segui para o meu curso no Butantã. Na saída da região da Berrini, tudo normal para o horário: parado. Uma fila sem fim de carros enfileirados nas ruas. Com cuidado fui desviando deles e segui para a vila Olímpia. Uma cena incrível: A rua Funchal totalmente vazia! Não havia um veículo automotor, em nenhuma das faixas, em nenhum sentido! Alguns faróis à frente eu os encontrei, os carros. Segui até a Faria Lima e lá estavam: muitos, muitos carros parados, ocupando todas as faixas da rua. Eram tantos e alguns inclusive bloqueavam os cruzamentos! Enquanto passava pelo corredor, além de me sentir novamente na época da Copa do Mundo**, eu lembrava dos textos que tinha lido, lembrava das bicicletas que atrapalham o trânsito! E havia várias bicicletas! Todas em movimento, óbvio. Acho que foi o dia em que me senti mais segura em pedalar pela cidade, e olha só que interessante: em uma grande avenida, coisa que sempre evito por achar muito tenso, muito poluído, muito barulhento. A grande diferença era que: se havia algum motorista ali cujo comportamento dirigindo pudesse me colocar em risco, eu estava livre dele! Me lembrou um pouco minhas voltas da estação de trem para casa de bike, onde passo por uma avenida que mais parece um circuito de Fórmula 1 dada a concentração de velocistas que por ali dirigem, porém, às 18:40h eles estão sempre parados, diariamente, até às 20h, então sempre segui por ali tranqüila, sem medo de ser feliz!



Mas ultrapassando todos aqueles carros parados (quantas centenas será que passei?) a coisa era diferente, afinal, era a avenida Faria Lima e eu seguia alguns quilômetros por ela nesta situação! Em dado momento vi uma moto atrás de mim, dei espaço e sinalizei para o motociclista passar, ele não foi, insisti, ele não quis. Olhei à frente, outro cruzamento bloqueado por carros, entendi que ele não precisava mesmo ter pressa.





Cheguei ao meu destino e olhei no relógio: 10 minutos mais cedo que o habitual! Ah, tá!
O famoso: Eu transito, você congestiona!

Quem é mesmo que atrapalha o trânsito na cidade?

Meta estabelecida na cidade de SP com a inauguração da Ponte Estaiada
Acesso para transporte coletivo? ciclistas? pedestres? Não! Só carros!

Obrigada Barbara Gancia!

Obrigada senhor "advogado especialista em trânsito" Ciro Vidal!

Você reclama, eu pedalo.





** Nos dias de jogos da seleção brasileira na Copa instaurou-se o caos total na cidade.. moNstroristas subiam em calçadas, fechavam cruzamentos, parecia mais uma guerra onde matar ou morrer tanto fazia, desde que terminasse antes do ínício do futebol.. E eu seguia de bike, passando por todos eles, os parados, que insistem em congestionar e poluir meu trajeto, tsc..

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Ampliação da Ciclofaixa de Lazer - Domingos até às 14h

A ampliação da Ciclofaixa de Lazer está saindo. Prevista para o fim de 2010, será inaugurada no dia 23 de janeiro ligando o Parque do Povo ao Parque Villa Lobos, passando pela Usp.

Confira o que o Willian Cruz escreveu no Vá de Bike, vale a pena!



Mesmo com todos os problemas, é bom ver o espaço público sendo devolvido às pessoas através da bicicleta, a paisagem vai mudando, e as pessoas também, pra melhor, sempre!

A região do parque Villa Lobos, seja durante a semana ou aos sábados e domingos, tem trânsito muito hostil para os ciclistas e pedestres, ficarei extremamente feliz ao ver ao invés de carros correndo ou procurando vagas para estacionar na rua, ciclistas humanizando este espaço.

Uma outra ampliação também era promessa de 2010, a da Ciclovia Rio Pinheiros. Há rumores de que saia em março deste ano. Esta sim tem tudo para ser uma ótima alternativa de deslocamento diário, bastando mais locais para acesso e ampliação de sua extensão e horários. Vamos torcer para que também saia do papel!