domingo, 21 de março de 2010

Lembranças do encontro de domingo Pedalinas

O domingo estava ensolarado, pela manhã.. porque quando foi chegando a famosa "hora do almoço", o céu desabou sobre nossas cabeças. Em Osasco. Minutos depois, aquele sol raiando! Hora de ir pro encontro das Pedalinas! Entro no trem e percebo que a chuva estava me seguindo.. ali pros lados da Lapa novamente o céu desabando.. Falo com a Jú, que já estava na Paulista e ela me tranquiliza: "aqui não está chovendo". Paro na Barra Funda para esperar a Vivian e logo toda aquela chuva dá espaço para ele, novamente, o sol, aquele ardido que geralmente vem depois de um temporal. Vejo uma borboleta colorida na plataforma e desacredito. Do sol e da borboleta!




Mais alguns minutos e a Jú me liga denovo. Dilúvio na Paulista, não dava pra enxergar nada, trânsito caótico, teve que parar num posto pra se abrigar. Pego o telefone e penso estar ligando pra Talita, mas a voz era da Sarinha, ok, onde ela estava não chovia, e ela ía. Decido então mandar uma mensagem pra Dri: faça chuva ou faça sol estamos indo!!!! Sim, porque eu tinha decidido que iria mesmo, já tínhamos cancelado o encontro do sábado anterior por causa do mau tempo, desta vez não podia perder a oportunidade de finalmente conhecer pessoalmente a Jú, que um belo dia me mandou um e-mail se apresentando como uma também ciclista de Osasco. E a partir daí trocamos muitos e-mails e combinamos muitos passeios e finalmente, ía acontecer! Rever todas as garotas, saber das novidades do WNBR do dia anterior, não podia perder!


 
E fomos. E nos encontramos e reencontramos. E estava aquele calorão. E não chovia! E rolou aquele clima de domingão, preguiça básica, indecisão de onde iríamos. Até que decidimos: descer a Augusta, encostar num bar, beber algo, na calçada mesmo, junto às bikes, e bater papo. E foi o que fizemos. E o papo tava bom demais!!!! As histórias da Talita impagáveis! Trocar experiências ciclísticas! Desabafar sobre esse trânsito doido. Ouvir da Jú que ela decidiu andar de bike porque estava parada dentro do carro há 2 horas e passou um ciclista que nunca mais ela viu, parada ali dentro do carro, e outro, e outro... É, o tal do trabalho de formiguinha que inconscientemente a gente acaba fazendo pelo simples fato de estar pedalando por aí diariamente. Acontece, mesmo!




Mas a preguiça de domingo continuava. E as garotas de Osasco e região tinham ainda que encarar o trem e um pedalzinho até suas casas. E por isso fomos embora cedo. Mas felizes! Em Osasco chovia. E fazia calor. Muito, muito calor. E pedalar naquela garoa refrescante de volta pra casa tava bom demais! Depois de tanto papo e de pedalar na chuva, aquela sensação de alma lavada me acompanhou até chegar em casa. Mais leve, mais feliz!

Para saber mais sobre as Pedalinas: http://pedalinas.wordpress.com/

sábado, 13 de março de 2010

Encontro PEDALINAS remarcado para DOMINGO DIA 14

O encontro de março das Pedalinas foi remarcado para DOMINGO, DIA 14.
 Mulheres, apareçam na praça do ciclista às 14:30h para um bate papo e pedal!


quarta-feira, 3 de março de 2010

Dois novos acessos para a Ciclovia Rio Pinheiros


Vamos acompanhar e cobrar!

Notícia na íntegra abaixo:
Governo anuncia dois novos acessos à Ciclovia Rio Pinheiros

Um deles ficará na estação de trem Jurubatura e outro na ponte João Dias



Cumprindo o compromisso assumido no último sábado, dia 27, durante a entrega da ciclovia Rio Pinheiros, o Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Transportes Metropolitanos, implantará nos próximos meses dois novos acessos para a ciclovia. Até o final de março, haverá um acesso na estação Jurubatuba, que fica a 3,5 km de distância da entrada pela av. Miguel Yunes e a 9,5 km da estação Vila Olímpia. Nos próximos meses, haverá outro na ponte João Dias.



Estas intervenções facilitarão a utilização da ciclovia pelos trabalhadores. Com elas, o percurso entre Vila Olímpia e a Ponte João Dias, nas proximidades da estação Giovanni Gronchi do Metrô, terá seis km de distância.



Jurubatuba: inicialmente, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) adequará uma passarela interna, localizada na área paga da estação Jurubatuba, permitindo que os ciclistas a utilizem sem a necessidade de pagar a tarifa. Até o final do ano, o local ganhará uma passarela superior que ligará a estação a ciclovia pela área externa.



João Dias: a CPTM fará adequações no passeio (localizado na lateral da ponte João Dias) e na altura da ciclovia, implantará uma escada de acesso, com canaleta para a bike.



A CPTM trabalha no projeto de ampliação da ciclovia que, a partir do segundo semestre, terá mais seis km entre as estações Vila Olímpia e Villa-Lobos/Jaguaré, totalizando 20 km de extensão. O novo trecho terá três passarelas: uma na estação Cidade Jardim, com acesso ao Parque do Povo e as outras duas nas estações Cidade Universitária e Villa-Lobos/Jaguaré.



Sobre a ciclovia



A Ciclovia Rio Pinheiros, que nasceu de uma parceria entre a CPTM e a Emae, tem um estacionamento para 48 automóveis na entrada pela av. Miguel Yunes, para os ciclistas que forem até o local de carro. Outra novidade são os dois Pontos de Apoio ao Ciclista, disponíveis no acesso sul, próximo à estação Jurubatuba, e no acesso da estação Vila Olímpia. Os "Pontos" contam com banheiros, ambulatório e espaços para troca de pneus e manutenção das bikes. Há também um ponto de descanso próximo à estação Santo Amaro, que conta com banheiros químicos e bancada para reparo de bikes. A ciclovia está aberta à circulação diariamente, das 6h às 18h.



Bicicletários



Só a Linha 9-Esmeralda conta com cinco bicicletários, que juntos oferecem 1.032 vagas para acomodação de bicicletas: Vila Olímpia (94 vagas), Jurubatuba (261 vagas), Autódromo (264 vagas), Primavera-Interlagos (226 vagas) e Grajaú (187 vagas).

(eles esqueceram de mencionar que na estação Pinheiros também tem!)

Da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos

Conhecendo a Ciclovia Rio Pinheiros

Com apenas dois acessos e horário extremamente limitado, mas é um começo...


A primeira coisa que avistei ao desembarcar do trem foi esta faixa. Em vermelho, e bem à vista dos motoristas que passavam pela marginal Pinheiros, o apelo: RESPEITE O CICLISTA!

Como estava com a bicicleta dobrável, parei no bicicletário Vila Olimpia para desdobra-la e fui recebida por aquele sorriso e simpatia já conhecidos do funcionário da CPTM que recepciona as bicicletas por ali. Ao chegar na entrada da ciclovia, mais uma funcionária sorridente que me passou as instruções de como seria a inauguração, que já poderia atravessar a passarela e aguardar do outro lado, e me sugeriu a utilização dos trilhos laterais aos degraus para não ter que carregar a bike escada acima.





Devo dizer que os trilhos ajudam sim, na subida, mas na descida não ficou muito funcional, pelo menos pra mim, que preferi carregar a bicicleta, o que também não é nenhum problema, já que faço isso diariamente para chegar à estação de trem Osasco. Muitos ciclistas empinaram a bicicleta e encaixaram a roda traseira no trilho. Questão de jeito e opção, experimente a melhor alternativa!




No local, mapas do projeto do Parque Linear do Rio Pinheiros contemplavam a ciclovia completa ainda a ser construída (ou adequados pois a pista já existe em quase toda a extensão), indicando os futuros acessos e passarelas, desde Grajaú até o Cebolão.





Não está muito nítido, mas os círculos azuis são os acessos a serem instalados e em laranja, as passarelas.

Presenças:



Os operários que executarem a obra e à frente Soninha Francine, sub-prefeita da Lapa e cidadã que pedala pela cidade, além de utilizar o transporte público em seus deslocamentos.


Renata Falzoni, repórter e apresentadora da ESPN, cicloativista fundadora do Night Bikers, Teresa D'Aprile, fundadora do Saia na noite e a animação das garotas do Saia.


Walter Feldman, secretário dos esportes, que abraçou de vez as bicicletas também como transporte.

E o secretário do verde e meio ambiente, Eduardo Jorge que se desloca de bicicleta pela cidade e que infelizmente não consegui fotografar. (espero encontrar uma foto dele e postar aqui em breve!)






A ciclovia é compartilhada com os carros de serviço da EMAE. As pistas são bem sinalizadas e também os limites de velocidade.




(foto em movimento, sou péssima, rs..)


Pedalar às margens do Rio Pinheiros é agradável e ao mesmo tempo chocante.. ver na prática um rio de águas poluídas, cheio de garrafas boiando em muitos trechos, faz pensar em muitas coisas.. e mesmo assim, com tanto descaso, a vida ainda brota por ali. Capivaras e aves são facilmente avistadas, o que dá uma certa esperança de que pode ser diferente.






No km 7 há um posto de apoio ao ciclista:


A grande expectativa que fica é de que os acessos sejam rapidamente ampliados e principalmente, o horário seja extendido. Atualmente a ciclovia funciona das 6h às 18h, o que não contempla o trabalhador que cumpre o horário comercial e encontra uma ciclovia fechada no final do dia. Esperamos que a iluminação seja instalada de imediato para que a Ciclovia do Rio Pinheiros não se transforme numa nova ciclovia inacabada como a da Radial Leste. Infelizmente os exemplos das obras anteriores são desanimadores, mas esperamos MESMO que desta vez seja diferente.


PS: o que eu acho mais engraçado nisso tudo é ouvir prefeito e governador se gabarem de termos uns 10km de ciclovias dentro de parques na cidade de São Paulo. Agora temos 24km!!! Nossa, deveriam ter vergonha de divulgar estes números ridículos!